10 setembro 2017

UM POUCO DE TEOLOGIA - O TEMPO ESCATOLÓGICO REALIZADO POR CRISTO

 Resultado de imagem para IMAGENS SOBRE O TEMPO INAUGURADO POR CRISTO

INTRODUÇÃO
Dentro da teologia de Paulo a encarnação de Cristo inaugurou uma nova era ao mesmo tempo que encerrou outra.
Cristo, para Paulo, era o inaugurador de um tempo onde a igreja deveria viver e experimentar um andar no Espírito.
Por isso, diante do que Paulo expõe em suas cartas é de se estranhar o modo como a igreja vive em nossos dias.
Vamos olhar alguns apontamentos sobre este novo tempo introduzido por Cristo e a novidade de vida relacionado com este tempo.

I – UM NOVO TEMPO

a) A Plenitude do Tempo

Gal. 4:4 “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei”.

Ef. 1:9-10 “Descobrindo-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra”.

Com “plenitude do tempo” não está se falando, apenas, da maturação de uma determinada questão dentro da grande estrutura da história da redenção, mas o cumprimento do tempo num sentido absoluto. O tempo do mundo chegou a uma conclusão com o advento de Cristo. Independentemente de quanto esse tempo ainda exista temporalmente, ou seja, o quanto o perfeito ainda aguarda o futuro, o pleroma dos tempos é tratado aqui como um acontecimento já ocorrido e assim, em principio, já resolvido.
Esse início de um grande tempo de salvação é afirmado com clareza em II Cor. 6:2 “porque diz: No tempo aceitável te escutei e no dia da salvação te socorri; eis aqui agora o tempo aceitável, eis aqui agora o dia da salvação”.
Aqui deve-se entender que as expressões: “tempo sobre-modo oportuno” e “dia da salvação” não são, simplesmente, um determinado acontecimento salvador ou uma oportunidade que deve ser usada e que, talvez, venha a desaparecer novamente.
Não deseja comunicar outra coisa senão que a vinda decisiva e há muito esperada de Deus finalmente raiou, a hora das horas, o dia da salvação no sentido realizador e escatológico da palavra.
Essa intenção fica clara quando Paulo escreve da seguinte maneira a partir do contexto anterior sobre a grande mudança que chegou com a morte e ressurreição de Cristo: “Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”. II Cor. 5:17.
Quando se fala aqui de “coisas novas” a intenção não é transmitir apenas um sentido individual (“uma nova criatura”), mas deve-se pensar, sim, no novo mundo da recriação que Deus fez irromper em Cristo e no qual estão incluídos todos os que estão em Cristo.
Observe os termos: “As coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” e do significado pleno que deve ser atribuído aqui a “novo” e “velho”. Trata-se de dois mundos, não apenas num sentido espiritual, mas também histórico-redentor. As “coisas antigas” representam o mundo que não foi redimido e que se encontra em sofrimento e pecado; as “novas” são o tempo da salvação e a recriação que se iniciaram com a ressurreição de Cristo. Aquele que está em Cristo, portanto, é nova criação; ele participa desse novo mundo de Deus e pertence a ele.

Vamos observar um termo predileto utilizado por Paulo chamado mistério.
Rm. 16:25-26
Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar, segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo, conforme a revelação do mistério guardado em silêncio desde os tempos eternos,
mas agora manifesto e, por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus, eterno, dado a conhecer a todas as nações para obediência da fé”.
Col. 1:26
o mistério que esteve oculto dos séculos, e das gerações; mas agora foi manifesto aos seus santos”.
Col. 2:2, 3
para que os seus corações sejam animados, estando unidos em amor, e enriquecidos da plenitude do entendimento para o pleno conhecimento do mistério de Deus-Cristo, no qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência.
Ef. 1:9-10
fazendo-nos conhecer o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que nele propôs para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra,”.
II Tm. 1:9-10
que nos salvou, e chamou com uma santa vocação, não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e a graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos,
e que agora se manifestou pelo aparecimento de nosso Salvador Cristo Jesus, o qual destruiu a morte, e trouxe à luz a vida e a imortalidade pelo evangelho,”.
Tt. 1:2-3
na esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos eternos,
e no tempo próprio manifestou a sua palavra, mediante a pregação que me foi confiada segundo o mandamento de Deus, nosso Salvador;”.
Aqui o termo mistério deve ser bem entendido. No grego clássico significava algo que não permaneceria oculto para sempre, mas que havia sido revelado. Destaco o verbo revelar que não significa apenas divulgação de uma verdade ou informação sobre determinados assuntos ou acontecimentos, mas o próprio aparecimento, o ato de tornar realidade histórica o que não existia como tal, mas que era mantido por Deus, oculto e retido. Como tal, a saber, como o plano redentor de Deus realizado.
Aqui o que foi revelado não foi o conhecimento do plano redentor de Deus, como conhecimento oculto, mas o próprio ato ou acontecimento histórico, na história, ou seja, a cruz do Calvário.
Isso aponta para o cumprimento de um tempo escatológico tendo em vista a plenitude dos tempos.
Os termos “estivera oculto” “outrora oculta” contrasta como o novo, o agora da revelação, o fim das gerações de espera, a intervenção final de Deus de acordo com seu plano e promessa.
A revelação do mistério é o verdadeiro conteúdo do evangelho (Rm. 16:26). Assim a própria pregação de Paulo é de cunho escatológico, ou seja, traz o tempo de salvação para seus ouvintes, ou seja, é a anunciação, a proclamação da vinda da salvação.
Aquilo que o Senhor Jesus Cristo proclamou dizendo, “o tempo está cumprido” (Mc. 1:15) é idêntico ao que Paulo chama de “plenitude do tempo”.
É a bem-aventurança que Jesus declara para seus discípulos em Mt. 13:11,17.
Ele, respondendo, disse-lhes: Porque a vós e dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado;
Porque em verdade vos digo que muitos profetas e justos desejaram ver o que vós vedes, e não o viram; e ouvir o que vós ouvis, e não o ouviram”.

Tanto para Paulo como para os demais discípulos, o advento de Cristo, seu aparecimento, morte e ressurreição, bem como os dons do Espírito Santo eram, acima de tudo, o cumprimento da promessa, o início da consumação da história da redenção.
Foi assim que Pedro explicou tudo isso de uma só vez no Pentecostes à luz da profecia de Joel (At. 2:17) e era assim que a igreja vivia consciente de que havia presenciado o raiar do dia da salvação e que era o povo de Deus do grande fim dos tempos. Por isso a igreja primitiva vivia na expectativa do retorno imediato de Cristo naqueles dias.

II – O MISTÉRIO DE CRISTO. ESCATOLOGIA E CRISTOLOGIA.

A pregação de Paulo é definida e explicada pelo advento e revelação de Jesus Cristo. A “escatologia” de Paulo é “Cristo-escatologia” e
“a abordagem paulina da história é fé em Cristo”.
Paulo via a história somente em relação a Cristo. Não via a história como somente a construção das sociedades humanas pelos homens, mas, a história adquiria significado dentro da obra redentora de Cristo que inaugurava um novo tempo. Toda a história é o palco da atuação de Deus para a realização de Sua salvação.
A pregação de Paulo é melhor definida por aquilo que ocorreu em Cristo, pelos atos de Deus que Cristo carregou em si para a realização do plano redentor e dos quais a morte e a ressurreição de Cristo constituem o centro de controle total.
A cristologia de Paulo é uma cristologia de fatos redentores.
Essa abordagem de Paulo sobre Cristo o coloca dentro de uma relação orgânica com a revelação do A. Testamento. O que aconteceu em Cristo constitui o término e o cumprimento da grande série de atos redentores divinos na história de Israel. Ou seja, o que aconteceu em Cristo deve ser entendido como o cumprimento das promessas de Deus a Israel.
Quando olhamos a obra de Cristo em termos do homem como indivíduo erramos em nossa avaliação. Precisamos olhar a obra de Cristo em termos histórico-redentor-escatológico, para compreendermos que Deus opera para a salvação tanto da criação física quanto humana.
Cristo é o cumprimento da promessa feita a Abraão (Gl. 3:8, 16,19), Ele o portador escatológico que traz a salvação. Ele o cumprimento do plano redentor de Deus para o mundo todo e seu futuro.
O tempo passado, antes de Cristo, não deve ser visto como tempos de escuridão e ignorância, mas como tempo de preparação para a obra de Deus ao longo dos séculos.
Para Paulo o cumprimento das profecias e a plenitude dos tempos convivem com o presente tempo do mundo. É o já e o ainda não da teologia. Existe ai uma tensão.

III – EM CRISTO, COM CRISTO. O VELHO E O NOVO HOMEM.

Quando Paulo utiliza a expressão “em Cristo”, ele está enfatizando uma unidade corporativa entre Cristo e os seus.
Em II Cor. 5:17 “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. Paulo nos dá uma mostra do que essa expressão quer dizer. Tudo aquilo que aconteceu em Cristo, devido essa unidade orgânica com os seus, aconteceu a nós também. Vamos ler algumas passagens de Paulo: Rm.6:3ss; Gl.2:19; Cl. 2:12, 13, 20; 3:1,3).

Em II Cor. 5:14-17 esclarece de modo significativo e torna perceptível uma transição clara do “Cristo por nós” para o ”nós em Cristo”

SOLI DEO GLRIA NUNC ET SEMPER

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário