25 novembro 2009

NOSSOS CULTOS SÃO VERDADEIROS?

Ao observamos as eclesiologias e as liturgias em nossas igrejas, vemos uma total descaracterização. Aquilo que deveria ser direcionado para Deus e sua glória exclusivamente foi totalmente travestido de um humanismo exacerbado. Deus que deveria ser o foco central do culto foi alijado do processo e virou nota de rodapé colocado na parte inferior das atividades. Deus virou pretexto para que o homem continue no centro. Deus é citado como apoio às práticas mundanas e capitalistas que permeiam a igreja. Há uma expressão que vem dos tempos da Reforma que diz: SOLI DEO GLÓRIA. Quer dizer: Glória somente a Deus. O insuperável Johann Sebastian Bach que revolucionou a música terminava todos os manuscritos de suas composições com as letras S.D.G. (Soli Deo Glória). Isso nos mostra que tudo em nossas vidas deveria apontar para Deus. O culto é para Deus. Somente Deus merece receber a Glória e isso implica que Ele deve ser o centro do culto. A Reforma resgatou essa máxima esquecida durante séculos. O culto não pode ser voltado para o homem. Não pode procurar satisfazer os desejos do homem e nem girar em torno dele. Mas vemos que o homem assumiu o lugar de Deus e passou a ser reverenciado. As pregações não apontam mais para o pecado que leva o homem a perdição e nem mais mostram a graça salvadora de Deus, mas sinalizam maneiras dos homens superarem suas crises. Basta ver os títulos dos sermões pregados. Em uma rápida passagem de olhos pela internet encontrei alguns títulos interessantes, vejamos: “Vencendo as Batalhas; Tempo de Conquistas; Vivendo Triunfantemente etc. Vejamos alguns títulos do Príncipe dos Pregadores Charles Haddon Spurgeon: “A Humilhante mas Gloriosa Dependência de Deus; O Terrível Porem da Justiça Própria etc. Daí da para perceber a grande diferença.

As músicas não exaltam mais a Deus, mas sim se centram no homem e suas crises. Se observarmos as músicas evangélicas atuais veremos essa triste realidade. Músicas que mostram o que Deus fará pelo homem e não a expressão de uma alma agradecida a Deus. Existe até música de louvor dedicado a ser humano! Sei que existe este tipo de música religiosa entre os mormons, mas para cristão... A quantidade de vezes que o pronome eu aparece nessas músicas é algo estarrecedor. Se compararmos com os grandes hinos da hinologia cristã veremos o contraste gritante. O primeiro hino do Cantor Cristão diz: “A ti, ó Deus, fiel e bom Senhor. Eterno Pai, supremo Benfeitor, Nós, os teus servos, vimos dar louvor, Aleluia! Aleluia! O que dizer das catarses praticadas em nossos cultos? Gritos de Vitória, brados de louvor tudo isso produz alívio e não libertação. Qualquer psicólogo recém formado pode confirmar isso. Para tristeza nossa essas práticas espúrias entraram para ficar. O que dizer dos moveres de Deus nos cultos onde o frenezi se instala e o ego grupal prevalece, as pessoas rodopiam, gritam, caem ao chão, riem sem parar, imitam animais com seus sons e mais um cem números de outras bizarrices?

Muitos adentram as igrejas para buscar suas bençãos e encontram sacerdotes corroídos que oportunamente lhes oferecem as bênçãos, buscando satisfazer os egos eternamente insatisfeitos em troca de alguma coisa material. Muitos esqueceram que as reuniões solenes dos santos são para louvor e glória de Deus. Essas reuniões deveriam ter Deus e sua glória em primeiro lugar. Nossos cânticos deveriam exaltar o nome que é sobre todo nome. Nossas orações deveriam expressar nossa gratidão Àquele que nos amou e morreu por nós. Hoje cantamos músicas desprovidas de adoração. Muitas dessas coisas cantadas em nossas igrejas expressam um antropocentrismo aviltante. Muitos acham que louvor é somente cantar qualquer coisa. Louvor também é expressão de nossa admiração em relação a Deus. Por estarmos admirados com a grandeza de Deus e com seu amor expressamos isso adorando, louvando Sua pessoa.

Mas o culto mudou. Temos culto do Eliser. Vejam só que nome de culto! Acredito que seja um culto específico para arranjar namorado/companheiro. Quando é que um culto se presta a isso? Paralelamente temos o culto da Terapia do Amor onde os descasados estão à cata de um companheiro/a. Nada mais mundano que isso!

O que dizer dos cultos para empresários bem sucedidos e outros falidos juntamente com os desempregados à procura de empregos? Dêem outro nome a isso menos culto. Isso causa náuseas em qualquer bom cidadão.

Ao entrarmos em nossas igrejas deveríamos lembrar a máxima de João Batista: “Importa que Ele cresça e que eu diminua”. Deveríamos lembrar o que o Senhor disse a Moisés: “Descalce os pés porque a terra é santa”.

Não gostaria de falar, mas me sinto constrangido a isso. E os famigerados cultos de libertação? O próprio nome do culto é uma contradição. Libertação para quem já foi liberto? Libertar o cristão se Cristo já realizou tudo no Calvário? O que tais pessoas entendem sobre as palavras de Cristo na cruz; Tudo está consumado?

Culto deveria ser expressão de nossa liberdade conquistada na cruz e nunca para buscarmos libertação. Culto deveria ser nossa celebração pela vitória alcançada na cruz e isso pela misteriosa, grandiosa e maravilhosa Graça de Deus.

Precisamos de uma vez por todas fazer coro com os reformadores SOLI DEO GLORIA.

Soli Deo Gloria.

Pr. Luiz Fernando R. de Souza

06 novembro 2009

UM APAGÃO ÉTICO E MORAL NO MEIO EVANGÉLICO

Não nos cora mais o rosto de vergonha quando escutamos ou presenciamos escândalos em nosso meio. Tornou-se comum a insensibilidade moral e ética no meio evangélico. Toda sorte de absurdos são tolerados em nome do amor, como se Deus rebaixasse seu nível para se adequar aos nossos fracassos. Cristo desceu uma vez para elevar o homem às regiões celestiais. Mas em nome do oportunismo, ganância, vaidade e outros codinomes abrimos mão da justiça, ética e moral para sermos aceitos no mundo e obtermos toda sorte de sucesso sem nos importarmos com as consequências.

A igreja está anestesiada pelo veneno do mundanismo e reage com lassidão diante dos descalabros presentes. Não incomoda mais ao cristão seu pastor ter caído em adultério com alguém de dentro ou fora da comunidade. O pensamento é que ele é homem de Deus e como homem pode fraquejar. Mas homem de Deus faz como Paulo fazia consigo mesmo:

Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado”. I Cor. 9:27.

Homem de Deus evita o pecado e foge dele. Mas algumas lideranças flertam com o pecado e andam no limite como Sansão andou. Sabemos o resultado de andar no limite na vida de Sanção. A igreja deveria agir duramente contra tais comportamentos e excluir de seu rol de membros pastores adúlteros. São pessoas descompromissadas com Deus que os chamou. Pessoas hedonistas e petulantes. Agora virou tendência o pastor pecar e continuar na mesma igreja pastoreando como se nada tivesse acontecido. Isso é uma vergonha.

Lideranças que demonstram um modo de vida nababesco como se isso fosse sinal das bênçãos de Deus.

Ver imagem em tamanho grande



Frederick Price


Literalmente veja o que disse Frederick Price, pastor norte-americano:

Estou com 25 milhões de dólares na minha conta bancária, e devo esclarecer que não tenho dívidas. Eu vivo em uma mansão, tenho o meu próprio iate de 6 milhões de dólares, tenho o meu avião privado e um helicóptero, 7 automóveis de luxo para que eu nunca tenha que conduzir o mesmo carro por mais de uma hora e tudo isso porque sigo a Cristo”.

Baseado nesse estilo de vida temos no Brasil apóstolos e tele-evangelistas buscando o mesmo. Um apóstolo megalomaníaco comprou um avião, Um tele-evangelista colocou como alvo de oração há alguns anos um avião. Tudo isso em nome de uma espiritualidade doentia e descabida. Tudo isso vem com roupagem espiritual e com frases bombásticas como: “filho de Deus come o melhor desta terra”, “estamos saindo do natural e entrando no sobrenatural”, “o mover de Deus para os últimos dias...”. Querem com isso induzir o povo evangélico a crer que terão tudo nesta vida e as privações são para uma casta inferior de cristãos. Estes introduzem literaturas destes lobos em nosso meio como tem feito a Editora Central Gospel ao jogar no mercado evangélico os livros de Price sobre a fé. Mas a Palavra aponta para outra direção. Mostra-nos para um estilo de vida simples e vigoroso, não dado às fábulas e especulações que em nada edificam. Tais comportamentos e dizeres anestesiam as mentes e consciências iludindo inteiramente aqueles que crêem.

Há pouco tempo um outro apóstolo e sua esposa uma bispa foram presos tentando entrar nos EUA com dólares escondidos em uma bíblia. Acharam que Deus encobertaria seus erros. Ficaram presos como demonstração que esse tipo de comportamento é passível de punição. O que mais estranha é que a liderança da Renascer e seus fieis acharam que era perseguição dos inimigos. Que o apóstolo não havia errado em nada e aceitaram normalmente tal episódio como fato corriqueiro. E para culminar o apóstolo ainda entregou uma palavra profética para 2009 como palavra de Deus.

Veja abaixo o quadro do patrimônio (Dezembro 2006) deste casal publicado no blog do Jornalista Paulo Roberto Lopes – SP (http://e-paulopes.blogspot.com/2006/12/bispa-sonia-e-apstolo-estevam-da.html)













O que dizer dos deputados evangélicos que foram flagrados na CPI dos Sangues Sugas? Qual a defesa para os deputados evangélicos apanhados de calças curtas no escândalo das passagens aéreas usadas irregularmente? O que dizer dos bispos e pastores desnudados pelo mensalão?

Vivemos um apagão moral e ético em nosso meio. Isso avilta o nome de Cristo e envergonha aqueles que batalham duramente para manter um testemunho digno do Senhor Jesus. A igreja, nos dizeres de Martin Luther King, deveria ser a consciência da sociedade. Mas parece que grande parte dessa consciência esta cauterizada e é imprópria para uso. Precisamos urgentemente atentar para a chamada do profeta Joel 1:13-15; 2:12-17

13 Cingi-vos e lamentai-vos, sacerdotes; gemei, ministros do altar; entrai e passai a noite vestidos de saco, ministros do meu Deus; porque a oferta de alimentos, e a libação, foram cortadas da casa de vosso Deus. 14 Santificai um jejum, convocai uma assembléia solene, congregai os anciãos, e todos os moradores desta terra, na casa do SENHOR vosso Deus, e clamai ao SENHOR. 15 Ai do dia! Porque o dia do SENHOR está perto, e virá como uma assolação do Todo-Poderoso”...

12 Ainda assim, agora mesmo diz o SENHOR: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto. 13 E rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes, e convertei-vos ao SENHOR vosso Deus; porque ele é misericordioso, e compassivo, e tardio em irar-se, e grande em benignidade, e se arrepende do mal. 14 Quem sabe se não se voltará e se arrependerá, e deixará após si uma bênção, em oferta de alimentos e libação para o SENHOR vosso Deus? 15 Tocai a trombeta em Sião, santificai um jejum, convocai uma assembléia solene. 16 Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento. 17 Chorem os sacerdotes, ministros do SENHOR, entre o alpendre e o altar, e digam: Poupa a teu povo, ó SENHOR, e não entregues a tua herança ao opróbrio, para que os gentios o dominem; porque diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?

Urgente se faz uma retomada da ética e da moral no meio evangélico para podermos ser sal e luz deste mundo. Urgente se faz levantarmos um clamor ao nosso Deus por misericórdia e isso em profundo arrependimento, lágrimas e rosto no pó.

Urgente se faz uma MARCHA EM FAVOR DA MORAL E ÉTICA EM NOSSO MEIO.


Soli Deo Glória

Pr. Luiz Fernando R. de Souza